Páscoa – Jd Cachoeira – Criança Herança de Deus

O termo “Páscoa” tem uma origem religiosa que vem do latim Pascae. Na Grécia antiga, este termo também é encontrado como Paska. Porém sua origem mais remota é entre os hebreus, onde aparece o termo hebraico Pessach que quer dizer passagem, que para os hebreus significava o fim da escravidão e o início da libertação do povo judeu que foi marcada pela travessia do Mar Vermelho, que se abriu para a passagem do povo que Moisés conduziria para a Terra Prometida. É com o sentido de libertação que, até hoje, os judeus celebram esta festa. Para os cristãos, a Páscoa é celebrada através da Ceia do Senhor em memória da morte para a vida de Jesus Cristo, a ressurreição de Jesus Cristo.
Hoje então, celebramos a páscoa lembrando sua morte e ressurreição, a vitória sobre a morte por todos que crerem e acreditarem no Senhor Jesus, a todos os seus filhos (João 1:12 Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome).
Vemos então quão grande é o significado da Páscoa para os crentes em Jesus Cristo, Senhor e Salvador de todos que crerem. (João 3:16  Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna).  
 
Os Ovos de Páscoa
 
De todos os símbolos, o ovo de páscoa é o mais conhecido e esperado pelas crianças. O ovo traz a idéia de começo de vida. Os povos antigos costumavam presentear os amigos com ovos, desejando-lhes o bem. Os chineses costumavam distribuir ovos coloridos entre amigos, na primavera, como referência à renovação da vida. Os cristãos foram os primeiros a dar ovos coloridos na Páscoa simbolizando o nascimento para uma nova vida, a ressurreição de Jesus Cristo, que nos deu a Salvação e a vida Eterna. A substituição dos ovos cozidos e pintados por ovos de chocolate, pode ser justificada pela proibição do consumo de carne animal, por alguns cristãos, no período da quaresma. Os ovos não eram uma guloseima, como se conhece hoje. Eram mais um presente decorativo, original, simbolizando a ressurreição como início de uma vida nova.
 
Os Coelhos
 
A tradição do coelho da páscoa foi trazida para as Américas pelos imigrantes alemães. O coelho visitava as crianças e escondia os ovinhos para que elas procurassem. No antigo Egito o coelho simbolizava o nascimento, a vida. Em outros pontos da terra era símbolo da fertilidade, pelo grande número de filhotes que nasciam. Uma lenda conta que uma mulher pobre coloriu alguns ovos e os escondeu em um ninho para dar aos filhos como presente de Páscoa. Quando as crianças descobriram o ninho, um grande coelho teria passado correndo. E daí veio a fama do coelho entregar os ovos.
 
O Cordeiro
 
O cordeiro é o símbolo mais antigo da Páscoa. É o símbolo da aliança feita entre Deus e o povo judeu na páscoa do Antigo Testamento. No Antigo Testamento, a Páscoa era celebrada com os pães sem fermento e com o sacrifício de um cordeiro. Jesus Cristo é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. (João 1:29, No dia seguinte João viu a Jesus, que vinha para ele, e disse: Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo). Jesus Cristo foi sacrificado na cruz pelos nossos pecados (Filipenses 2:8 E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz), e cujo sangue nos redimiu: “morrendo, destruiu nossa morte, e ressuscitando, restituiu-nos a vida”. É a nova Aliança de Deus realizada por Seu Filho, agora não só com um povo, mas com todos os que Nele crerem. 
Feliz Páscoa
Anúncios

Carta do Missionario Daniel Veloso – Projeto Mão Amiga

Olá meu grande amigo. Estamos com saudades!!!
A batalha por aqui está acirrada e Jeová Nissi é e sempre será a nossa bandeira da vitória a tremular em nosso universo missionário.
Estamos enviando estimativa do número de pessoas que são atendidas nas proximidades do nosso reduto missionário, digo entre a população das ilhas e adjacências, são 250 famílias atendidas, contamos com 80 adultos do sexo masculino, cerca de 80 adolescentes, 120 adultos do sexo feminino e 250 crianças, exceto a população indígena e carcerária que também são atendidos pela nosso humilde projeto missionário.
Aguardamos notícias sobre a expedição da IETG que virá até a região setentrional do nosso Estado.
Saudamos com ósculo santo ao Pr. Nelson, a Igreja e é claro ao nosso Pr. Pedro Neto.
E onde vocês estiverem não se esqueçam de mim.

Missionário Daniel Veloso