Projeto Criança Herança de Deus – Missionaria Alveci

Graça e paz a todos!
 
A nossa ida ao Jd. Cachoeira, nesse sábado (22/05) , como outros sábados tem sido uma benção.
Eu e a irmã Zilda, planejamos a aula em dois momentos.
O 1º momento – História de Daniel na cova de leões – irmã Zilda
O 2º momento – Artes-confeccção de tartarugas de jornal – irmã Rute
Foi muito proveitoso, quando chegamos haviam 21 crianças, mas aos poucos foram chegando e no término haviam 35 crianças.
A Missionaria Alveci, nos comunicou que marcará um sábado para visitarmos as famílias das crianças.
Deus abençõe a todos!
Beijinhos, fiquem com Deus!
Rute e Zilda
Anúncios

PROJETO MÃO AMIGA – TESTEMUNHO

Aos bravos missionários do Senhor
A todos que acreditam … e para o elevo espiritual nosso.
A todos que ainda duvidam que Jesus Cristo é vivo.
Paz do Senhor Jesus Cristo seja com todos meus amados irmãos e irmãs Nele. 
Exatamente á um ano e um mês, no dia 17/04/2009, chegava na Iha Pau de Canoa no rio São Francisco em Minas Gerais, uma jovem mamãe em busca de uma vida melhor, pois queria participar do evento em que daria início ao projeto de costura em retalhos nessa ilha. As missionárias Maria Elena, Eunice Alves, Palmira, Berenice e Carmem do Projeto Rute de Belo Horizonte, que vieram enviadas por Deus para implantarem a oficina beneficente e ensinarem a arte de costurar em retalhos, em nossa região tão carente, depararam de imediato com a jovem mãe Maria Cleuza, então com 34 anos de idade e que tem um histórico de vida cruel. Seu pai foi morto a pauladas por seus opressores em uma tocaia e sua mãe morreu com cirrose hepática provocada por ingestão de bebidas alcoólicas, e em seguida foi abandonada por seu esposo que depois de agredi-la varias vezes a deixou com seus filhos e sem nenhum recurso financeiro,  e com isto veio a depressão, e em plena solidão tinha que ser medicada diariamente com remédios controlados como: Diazepan e Rivoltril, e quando ficava nervosa sofria desmaios e seu organismo já estava acostumado com os comprimidos vindo a ser indicado o uso de Rivoltril injetável e como se não bastasse todos estes problemas de saúde, surgiram fortes dores estomacais acompanhadas de vômitos, sendo confirmado a existência de pedras na vesícula e para complicar a situação a Jovem mãe Maria Cleuza, ingeria bebidas fortes, causando-lhe varias complicações e preocupações por parte dos médicos que a advertiram que poderia vir a óbito a qualquer momento, porém, no dia 17/04/2009, ela aceitou a Jesus Cristo como Salvador e Senhor de sua vida, onde em seguida foi realizada uma oração com imposição de mãos e a partir daquele momento a depressão foi embora e nunca mais voltou e  não foi mais medicada, os desmaios e as pedras na vesícula desapareceram. Hoje 17/05/2010 a nossa irmã Maria Cleuza, agradece ao Senhor da seara por sua cura e libertação, dizendo: “Estou muito feliz graças a Deus!!!”. Atualmente ela é uma das lideres na oficina de costura na ilha, e todo o material de costura – colcha e tapetes de retalhos – são vendidos e o resultado financeiro tem ajudado na renda familiar.
Para nós que vivemos pela fé e de doações sem verbas do município, do estado e da união, muitas vezes pensamos em desistir, mas diante deste e de tantos outros testemunhos nosso ânimo aumenta cada dia mais e mais.
E assim prosseguimos glorificando e exaltando o nome SENHOR !!!   
Projeto Mão Amiga
MS. Daniel Veloso

BOPE – Caveiras de Cristo

Rio de Janeiro – ‘Se queres a paz, prepara-te para guerra’. A frase estampada em latim na parte de trás da camisa preta é o aviso que os integrantes da Tropa de Louvor deixam por onde passam. A banda gospel é formada por membros dos Caveiras de Cristo, policiais evangélicos que integram o Batalhão de Operações Especiais (Bope). A Tropa realiza cultos-shows nas comunidades pacificadas e cria uma nova vertente de comportamento, por vezes contraditório, na unidade em que seus homens são treinados para matar.
Antes de cada apresentação, todos os músicos do grupo Tropa de Louvor se reúnem e se abraçam em volta da bateria para fazer uma oração
“Deus está neste lugar”, diz o sargento do Bope e pastor da Igreja Assembleia de Deus Carlos Mello, para um grupo de 200 pessoas, entre eles pastores e padres, no culto-show do Borel, no sábado à tarde. Com a tradicional farda do Bope, o emblema da caveira no braço esquerdo e a Bíblia na mão direita, ele conta seus testemunhos de conversão e convida os moradores para uma tarde de louvor: “Estamos aqui trazendo a palavra do Senhor”.
O público, tímido no início, não demora a se acostumar com a cena do palco: um coral de homens de preto, com coldres e armas na cintura, cantando e orando. A quadra da Escola de Samba Unidos da Tijuca se transforma então numa espécie de templo evangélico dos Caveiras de Cristo.
No culto, animado pela Tropa de Louvor, a interação com os moradores é mantida o tempo inteiro. Além dos momentos de cura e libertação, a banda abre para o plateia um espaço para uma espécie de show de calouros evangélico. Neste momento vale tudo: alguns anunciam o CD que será lançado, outros cantam funk-gospel e ainda há os que aproveitam para prestar depoimentos como o de uma ex-alcoólatra.
“É a primeira vez que os vejo. Estou realmente surpresa. Desmistifica aquela imagem do Bope nos lugares com o Caveirão e para matar”, disse a auxiliar de creche, Andréia Cristiane de Albuquerque, 34 anos.
A favela do Borel, na Tijuca, foi a quarta comunidade com Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) em que a Tropa de Louvor se apresentou — e a que atraiu o maior número de fiéis, cerca de 200. Na primeira tentativa de aproximação do grupo com moradores, no Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, apareceram 20 pessoas. No segundo culto, na Ladeira dos Tabajaras, foram 30 moradores. E no Morro da Providência, na Gamboa, eram apenas 10 pessoas. “Não soubemos convidar os moradores”, admitiu o sargento do Bope, Max Coelho.
Prova de que o culto organizado pelo Bope é marcado pelo diferencial está na plateia: lado a lado padres e pastores rezam de mãos dadas. “Isso aqui traz esperança”, diz o padre da Paróquia São Camilo, na Tijuca, José Patrício de Souza, 63 anos. Para o bispo da Igreja Evangélica Pentecostal Salvação por Cristo, Antonio Ferreira, 75 anos, o culto não é para falar de religião: “Estamos aqui para unir pessoas”.
 
Fonte: O Dia Online
http://www.noticiasgospel.com/2010/05/banda-gospel-leva-paz-as-comunidades/?utm_source=feedburner&utm_medium=email&utm_campaign=Feed%3A+notgospel+%28Noticias+Gospel%29

Heterossexualidade sem homofobia e homossexualidade sem heterofobia

Na próxima semana, acontecerá aqui em Viçosa a 1ª Semana da Diversidade Sexual, envolvendo toda a comunidade universitária. Um dos objetivos é combater a “discriminação contra gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais”, o que tem sido chamado acertadamente de homofobia.
Se este objetivo for alcançado, me darei por satisfeito, mesmo não abrindo mão das minhas convicções cristãs contrárias à prática da homossexualidade. Primeiro, porque, em tempos bastante remotos, eu não sabia diferenciar uma coisa da outra, misturando a formação heterossexual com alguma dose de discriminação. Se todos somos igualmente marcados pelo pecado, tanto potencialmente como na prática, a discriminação torna-se ridícula e hipócrita, além de aumentar mais um pecado ao nosso vergonhoso currículo moral. Segundo, porque a oposição que alguns fazem ao homossexualismo não é educada, inteligente, coerente e caridosa. Há casos de agressão verbal e física. Em alguns setores muçulmanos acentuadamente fundamentalistas, os homossexuais podem até ser condenados à morte. Em maio de 1998 visitei o campo de concentração de Mauthausen, na Áustria, e vi uma placa assinalando que, entre os prisioneiros, alguns não eram nem judeus, nem inimigos políticos da Alemanha nazista, mas apenas homossexuais.
Em contrapartida, os homossexuais não podem dar lugar à heterofobia. Eles devem sair do armário sem pretender colocar os héteros dentro dos armários vazios. A sociedade precisa enxergar esse processo em andamento. Se os homossexuais podem defender a bandeira da homossexualidade, por que os heterossexuais não podem defender a bandeira da heterossexualidade?
Se a consciência de um homossexual não o deixa em paz, apesar do apoio ostensivo da mídia, de alguns profissionais da saúde e até mesmo de algum líder religioso, por que não se pode dar a ele auxílio psicológico ou pastoral, caso a pessoa espontaneamente o solicite? Se uma igreja se recusa a celebrar um casamento gay ou a ordenar padre ou pastor um homossexual praticante, por que zombar, perseguir, maltratar ou prender o responsável por esse comportamento, exigido por seu credo? Os homos querem liberdade de pensamento e de ação. O mesmo acontece com os héteros.
A prática homossexual é condenada pelas três religiões monoteístas do planeta: o cristianismo, o judaísmo e o islamismo. No caso dos protestantes (este é o meu caso), enquanto estes se conservarem fiéis às Escrituras Sagradas, sua única regra de fé e prática, a conduta homossexual será considerada um desvio sexual. Mas à luz da mesma Bíblia, eu também não posso odiar o gay, a lésbica, o bissexual, o travesti e o transexual!

• Elben César, diretor-redator da revista Ultimato

http://www.ultimato.com.br/?pg=show_conteudo&util=1&categoria=1&registro=1288

Carta do Pastor Missionario Daniel as crianças

Quero falar pra vocês através desta cartinha sobre o valor da obra missionária na vida das crianças. Jesus o missionário por excelência que foi perseguido desde o seu nascimento, nasceu em uma manjedoura, e quando criança no colo da sua mamãe andava montado rusticamente em um jumentinho e atravessando regiões desértica da Palestina em fuga por causa dos seus opressores. E alimentava-se de manteiga e mel (Isaias 7:14-15), porém crescia e se fortalecia em Espírito e cheio de sabedoria, e a graça de Deus estava sobre ele (Lucas 2:40-42). E quando adulto e ressuscitado disse aos futuros missionários: “Ide e fazei discípulos por todo o Mundo” (Marcos 16:15) (Mateus 28:19-20) (Atos 1:8).
Motivados por esta grande lição de vida missionária, e convictos da chamada para realizarmos a obra missionária, fomos para o campo missionário, quando chegamos nas aldeias dos Índios Xacriabás. Deparamos com uma criança que arrastava-se pelo chão pois não podia andar sobre os seus pés, era paralítico de nascença, porém, ao visitarmos os seus pais novos convertidos sentimos pelo espírito em dizer-lhes que Jesus Cristo iria curar aquela criança que aos três anos de idade era deprimida por conseqüência desta paralisia. Antes de sairmos daquela humilde aldeia realizamos uma oração repreendendo a paralisia em nome de Jesus Cristo, e subitamente a criança levantou-se sozinha e andou. Hoje um ano depois ela corre, salta cambalhotas, anda de bicicleta (uma doação missionária), vibrando de alegria com a restauração de sua saúde física. Sua tribo fica situada a margem esquerda do rio São Francisco e a 100 km distante da nossa base missionária. Exemplos do valor da obra Missionária na vida de uma criança, temos muitos, como quando navegando com o Barco Missionário Mão Amiga, chegamos a margem direita deste importante rio Brasileiro, deparamos em uma casinha humilde com uma jovem possessa por um espírito maligno e grávida. Nesta primeira visita missionária em seu lar, anunciamos á seus familiares o evangelho de Cristo Jesus, que é o poder de Deus e a salvação para todo aquele que nele crer. A partir de então passamos a acompanhar a futura mamãe bem de perto, com toda a assistência que seria necessária para a criança nascer em um lar perfeitamente saudável. Quando víamos a jovem com depressão procurando tirar a sua própria vida, parecia que nosso objetivo não seria realizado mas, a criança nasceu, por sinal uma criança linda e saudável, mesmo sendo acompanhada espiritualmente e socialmente (cesta básicas, material de higiene para recém-nascidos, etc…) o inimigo insistiu para que a mãe não deixasse a criança viver, após tentar matá-la  por vários meios inclusive lançando a criancinha recém-nascida, as correntezas do rio. Milagres aconteceram, hoje a jovem mamãe está sendo acompanhada clinicamente e o Deivisson aos 3 anos de idade ao lado de sua mãe adotiva e nova convertida irmã Maria do Carmo, ex-líder da igreja Romana, esbanja um lindo sorriso quando chegamos em sua comunidade ribeirinha para semanalmente realizarmos mais um culto em adoração ao Deus que Dele é a terra e sua plenitude o mundo e aqueles que Nele habitam. Concluímos que Deus valoriza as criancinhas a fim de vê-las crescendo e desenvolvendo seu espírito missionário, pois todas as crianças tem uma missão específica a cumprir diante de seus pais de seu povo e do seu Criador. Crianças vocês tem um valor, o Espírito Santo se move em vocês!
Meu breve testemunho quando ainda criança.
Com alguns meses após o meu nascimento, foi constatado pela medicina que os meus glóbulos sanguíneos estavam seriamente afetados por uma grave enfermidade e conforme os médicos, essa enfermidade me levaria a morte em pouco tempo de vida, porém, minha mãe que já dorme no Senhor, então nova convertida, que no momento da sua conversão quando eu ainda estava em seu colo uterino aceitou a Jesus como Salvador e Senhor da sua vida. E agora diante desta situação, no momento em que vários religiosos estavam em sentinela ao lado do meu corpinho inerte em um berço e quase vindo a morrer, lançou o seu último clamor, ao Senhor da vida dizendo: “Senhor não quero ver meu filho sofrendo nesta cama, se for para ele ser útil na obra missionária sobre a terra, cura ele agora, porém se não for leve ele agora”. E o Senhor da seara preferiu deixar-me a viver curando-me. Agora adulto com 50 anos de idade e como missionário pregando para uma mãe aflita nos arredores da tribo Xacriabá que estava acompanhada de seu filho enfermo a dias, após dizer-lhe que Jesus salva, cura e batiza com Espírito Santo, a criança que estava enferma há vários dias disse: “Mãe, tudo o que o missionário está falando é verdade, pois enquanto ele falava (pregava), a doença que eu estava com ela ia saindo do meu corpo e agora estou curado.
 
Aleluias, Glórias á Jesus, Nosso eterno missionário!
 
Pastor Missionário Daniel Veloso.
Norte de  Minas Gerais/Brasil.

CARTA DO MISSIONARIO PR. DANIEL VELOSO – MISSÃO MÃO AMIGA – JANUARIA MINAS GERAIS

Olá Pr. Pedro e todos do departamento de Evangelismo e Missões e a igreja acompanhada do seu amabilíssimo Pr. Nelson, por aqui está tudo bem desejamos que a Paz reine sobre vós todos.
No dia 19 de Abril,tivemos uma festa linda na Tribo Xacriabá,o que mais nos chamou atenção foi a Paz que Reinou antes,durante e depois da Festa,pois antes das conversões dos Caciques: irmão Domingos Nunes de Oliveira e o seu vice Cacique: irmão Avelino. Isto era simplesmente impossível hoje sentimos que o príncipe da Paz está no controle da gigantesca tribo Xacriabá com seus 10.000 Índios. Em breve estaremos enviando as fotos deste evento abençoado pelo Senhor da Seara.
Junto a comunidade carcerária e como presidente do conselho fiscal da APAC, participamos no dia 30 de abril do grande evento de inauguração do prédio da Associação de Proteção e assistência ao Condenado de Januária e Região(APAC), onde tivemos o privilégio de contarmos com a presença de alguns desembargadores como o Presidente do Tribunal de Justiça Dr. Nelson Rezende e do Dr. Joaquim, um dos idealizadores das APACs no Estado de Minas Gerais.
Tivemos a oportunidade de ver o nome do Senhor e soberano dentre as nações sendo glorificado e exaltado através dos versículos Bíblicos citados no evento e os hinos em louvor ao Senhor da seara entoado pelos detentos (recuperandos) que agora já estão em pleno processo de recuperação.
Em breve estaremos enviando as fotos desse magnífico evento histórico.
Junto as ilhas e o Rio São Francisco, amanhã terça-feira dia 11/05, estaremos dando início a restauração do prédio da Escola da Ilha da Capivara desativado ao longo de 10 anos e agora cedido oficialmente em caráter provisório para a instalação da Missão Mão Amiga que através dessa base irá atender as comunidades ribeirinhas adjacentes, onde pretendemos cuidar das crianças carentes da Ilha da Capivara com o sopão diário, com orientação pedagógica (reforço escolar) orientação sobre o meio ambiente (preservação das matas ciliares incluindo reflorestamento da margem degradada com mudas adquiridas junto ao Instituto Estadual de Floresta/IEF e outros). Orientação Espiritual afim de trazer uma conscientização que existe um Ser Soberano que está no controle de tudo e de todos, e que devemos ceder a atenção que lhe é devida.
Nosso alvo também é a formação de missionários para evangelizar os 13 milhões de habitantes que margeiam o gigantesco rio São Francisco com seu mais 2.500 km de extensão este que é considerado o maior Rio genuinamente brasileiro e conhecido como o Rio da Integração Nacional.
E por fim estaremos incluindo em nosso propósito missionário estagiar missionários já formados que virão para nossa humilde região a praticarem a sua missão nesta região tida como a área da pobreza do Estado de Minas Gerais/Brasil.      Compramos na semana passada um veículo Fiat Uno Mille usado ano:1998 – 02 portas 1.000 cilindradas. Pagando uma entrada facilitada de R$3.000,00 (três mil reais) dividida em 6 pagamentos de R$500,00 e 35 prestações fixas mensais de R$ 289,10, isto porque não podemos esperar tanto para termos um veículo tão desejado como uma Caminhonete tracionada de cabine dupla com seu valor aproximado a R$40.000 reais.
Que Deus abençoe á todos, fiquem na Paz do Senhor!
 
Missão Mão Amiga
Missionário Pr. Daniel Veloso.